17 de jun de 2013

Hotel prisão - você encararia essa?

  • Um lugar onde você pode se sentir preso de verdade

Uma vez fiz uma peça chamada "RATOS DE ESGOTO" do qual fazia um prisioneiro e para construção da personagem fiz um laboratório de passar um dia na penitenciária de Salvador. 

Na época estavam construindo uma nova ala e, então, nos deixaram experimentar estar presos. Eu e o outro ator, ficamos cada um em uma cela por cerca de 1 hora, e foi perturbado, imagina passar pelo que essa hotel prisão propõe...

O Karosta Prison da Letônia foi usada como uma prisão militar nazista e soviético durante a maior parte do século 20. Dizem que milhares de prisioneiros morreram ali, muitos deles baleados na cabeça. Hoje em dia o antigo pesadelo foi transformado em um hotel-prisão temático onde os hóspedes podem assinar um acordo para serem tratados como prisioneiros reais.


Localizado na cidade de Liepaja, o Karosta Prison Hotel é uma das atrações turísticas mais exclusivas da Letônia. Os visitantes podem fazer passeios pela antiga instalação da prisão, aprender a história horrível do lugar, visitar o museu da prisão e até mesmo reservar uma estadia em uma das celas velhas.

Karosta certamente não é a única prisão convertida em um hotel do mundo, mas distingue-se por permitir que os visitantes experimentem como é viver na prisão em condições da autêntica era comunista. Pode soar como um chamariz para atrair turistas, mas uma estadia em Karosta Prison não é realmente nenhum passeio no parque. Para se certificar de que não haverá queixas, o hotel exige que os clientes assinem um acordo reconhecendo que devem ser tratados como prisioneiros pelo pessoal treinado. Isso inclui dormir em uma cela em um colchão velho colocado sobre pranchas de madeira, comer a gororoba da prisão servida através das portas gradeadas, ser abusado verbalmente pelos guardas e seguir as ordens ao pé da letra. O não cumprimento do rigoroso código de conduta é punido através de exercícios físicos e trabalhos de limpeza em torno da prisão.

O site do Karosta Prison lembra para os candidatos a prisioneiros que passar por essa experiência pode ser considerado brutal, mas que é inteiramente sua escolha. E se o tratamento a que forem sujeitos não resultar o suficiente para assustar os hóspedes, o pessoal fica mais do que feliz em contar histórias sobre a atividade paranormal em razão da prisão. 

Lâmpadas que rosqueiam sozinhas em suas bases, portas de celas que abrem por si só, som de correntes que ecoam das salas e do frio perturbador de uma presença que não é deste mundo são apenas algumas das coisas que os guardas falam durante os turnos.

Se coisas como fantasmas realmente existem, talvez o Karosta seja uma dos locais mais propícios para vê-los. Originalmente construído como uma enfermaria em 1900, este lugar foi utilizado como prisão militar por ambos os regimes soviético e nazista. Durante a Segunda Guerra Mundial, os nazistas condenados desertores da Letônia foram executados ali. Só para que tenha uma ideia de como os presos se sentiam a respeito deste lugar, a sala de confinamento solitário apresenta uma mensagem enigmática sobre a porta de saída: "Izeja no elles", que na Letônia quer dizer "Saída do inferno".

Ademais os hóspedes prisioneiros podem passar por situações simuladas de fuga se assim o desejarem, mas devem assumir o risco de serem capturados e isso sempre acontece.

O Karosta Prison Hotel permanece aberto entre 1 Maio e 30 de Outubro. Para a temporada de passeios, os visitantes têm que ligar com antecedência. Aproveite a sua estadia!






























. . .

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails