20 de fev de 2015

Quase lá: relembre indicações do Brasil ao Oscar; país nunca ganhou

  • Documentário 'O Sal da Terra' disputa estatueta neste domingo (22)

O mais perto que o Brasil já chegou de um Oscar foi aplaudindo uma estatueta do nossos vizinhos uruguaios. Em 2005, o compositor Jorge Drexler recebeu o prêmio de melhor canção por "El otro lado del rio". 

Como a música estava no filme "Diários de motocicleta", do diretor brasileiro Walter Salles, dava até para dizer que Jorge Drexler era Brasil na Libertadores (e no Oscar). Mas a verdade é que o país jamais levou o maior prêmio do cinema mundial.

A nova chance é neste domingo (22), quando acontece a edição 2015 da grade festa de Hollywood. “O Sal da Terra” disputa na categoria melhor documentário. Ele é codirigido pelo brasileiro Juliano Salgado, filho do fotógrafo Sebastião Salgado, tema do filme. O alemão Wim Wenders também assina a direção desta coprodução Brasil, Itália e França.

A indicação anterior do país havia ocorrido em 2012. Com a música "Real in Rio", da animação "Rio", Carlinhos Brown e Sergio Mendes perderam para "Man or muppet", tema de "Os muppets".

Na história do Oscar, o Brasil teve ainda outras “quase vitórias” ou vitórias parciais. Em 1986, por exemplo, William Hurt ganhou a estatueta de melhor ator pelo trabalho no filme “O beijo da mulher aranha”, dirigido por Hector Babenco. O longa era uma coprodução Brasil e Estados Unidos.

Veja, abaixo, todas as indicações do Brasil ao Oscar:

19 de fev de 2015

10 Desordens mentais mais bizarras

Os termos transtorno, distúrbio e doença combinam-se aos termos mental, psíquico e psiquiátrico para descrever qualquer anormalidade, sofrimento ou comprometimento de ordem psicológica e/ou mental. 

Os transtornos mentais são um campo de investigação interdisciplinar que envolves áreas como a psicologia, a filosofia, a psiquiatria e a neurologia. 

As classificações diagnósticas mais utilizadas como referências no serviço de saúde e na pesquisa hoje em dia são o Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais.


1. Paramnésia Reduplicativa

A paramnésia reduplicativa é a crença de que um local foi duplicado, existindo simultaneamente em dois ou mais lugares, ou que foi movido para algum outro lugar. Por exemplo, uma pessoa pode não acreditar que está no hospital no qual foi internada, mas sim em um outro hospital, idêntico ao primeiro, mas localizado em outro lugar do país.

O termo paramnésia reduplicativa foi utilizado pela primeira vez em 1903 pelo neurologista tcheco Arnold Pick, para descrever a condição em que se encontrava uma paciente com suspeita de mal de Alzheimer. Esta paciente insistia que havia sido transferida da clínica de pick para outra clínica idêntica à dele, mas localizada em um subúrbio familiar. Para explicar as discrepâncias, ela afirmava que Pick e sua equipe trabalhavam nos dois locais.

18 de fev de 2015

Beber cerveja regularmente pode livrar você de doenças neurológicas como Alzheimer e Parkinson, diz estudo

  • Cientistas descobriram um ingrediente na cerveja que pode retardar a progressão de doenças degenerativas, como Alzheimer e Parkinson.

Em experiências de laboratório, eles descobriram que a substância química, chamada xanthohumol, pode ajudar a proteger as células do cérebro dos danos oxidativos associados à demência.

A pesquisa, publicada no Journal of Agricultural and Food Chemistry, sugeriu que as pessoas que bebem regularmente cerveja podem afastar a progressão de doenças neurológicas.

O Dr. Jianguo Fang, da Universidade de Lanzhou, na China, disse: "Essa substância pode ser encontrado em um grupo de plantas secas e são amplamente usadas em cervejas e alguns tipos de refrigerantes”.

Ele prossegue: “Na medicina tradicional chinesa, o lúpulo têm sido utilizado para tratar uma variedade de doenças por séculos. A presença de uma elevada concentração de xanthohumol em cervejas pode ser associado à observação epidemiológica, tornando o hábito de beber cerveja algo benéfico”.

17 de fev de 2015

O fim dos carecas? Cientistas podem ter encontrado a cura para a calvície usando células-tronco

  • Em um novo estudo da Sanford-Burnham Medical Research Institute, os pesquisadores usaram células-tronco pluripotentes humanas para gerar novos fios de cabelo.

O estudo representa o primeiro passo para o desenvolvimento de um tratamento à base de células para as pessoas com a perda de cabelo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a OMS, quase 50% dos homens no mundo apresentam algum grau de calvície até os 50 anos, que tende a aumentar com o avanço da idade.

Somente nos Estados Unidos, mais de 40 milhões de homens e 21 milhões de mulheres são afetados pela queda de cabelo. A pesquisa, considerada promissora, foi publicada na versão on-line da revista PLOS One.

"Nós desenvolvemos um método que utiliza células-tronco pluripotentes humanas para criar novas células capazes de iniciar o crescimento do cabelo. O método é uma melhoria significativa em relação aos métodos atuais que dependem do transplante de folículos pilosos existentes de uma parte da cabeça para o outra", disse Alexey Terskikh, Ph.D., professor associado do Programa de Regeneração da Sanford-Burnham.

16 de fev de 2015

Fêmeas de orangotango estão sendo usadas como escravas sexuais e prostitutas na Ásia

  • As fêmeas de orangotango estão sofrendo com intenso tráfico de animais pela Ásia, vendidas para proporcionar prazer sexual.

Não é nada incomum encontrar fêmeas da espécie acorrentadas ou amarradas com cordas em vários países da Ásia. O motivo de tamanha crueldade é o fato de que elas estão sendo usadas como prostitutas, e sofrem abusos severos, às vezes diariamente.

Um dos casos mais famosos ocorreu em 2012 quando a Pony – uma fêmea de orangotango – foi resgatada pela Borneo Orangutan Survival (BOS), uma organização não governamental especializada em resgatar animais vítimas do abuso. Ela estava amarrada na cama, sem pelos, de banho tomado, com batons nos lábios e muito perfume.

Pony sofria abusos diários. Ficava sempre à disposição dos frequentadores de uma casa de prostituição no centro de Bornéu, território da Indonésia. Não havia limites para o abuso, e os clientes podiam “usá-la” como quisessem.

A veterinária da ONG BOS, Karmele Llano, afirmou que em alguns países asiáticos, especialmente em localidades pequenas, a prática de usar orangotangos fêmeas como prostitutas é bastante comum.

15 de fev de 2015

Baratas têm personalidade e podem ser corajosas ou bastante tímidas, diz pesquisa

  • As baratas são uma das criaturas mais odiadas do planeta, mas os cientistas afirmam que elas têm personalidades – e algumas podem até ser tímidas!


Especialistas que estudam os insetos têm descoberto que estes “adoráveis seres” possuem traços de personalidade individual ao emergir de esconderijos: algumas são destemidas e corajosas, outras se comportam com timidez.

A descoberta não irá torná-las mais desejáveis, mas pode ajudar a explicar o processo evolutivo das baratas.

Em um experimento, os cientistas da Université Libre, de Bruxelles, estudou o comportamento dos insetos quando eles emergiam de esconderijos. Antes do estudo, pensava-se que todas possuíam a mesma personalidade e que se comportariam de forma igual em um espaço aberto.

Isaac Planas Sitja, um dos pesquisadores da universidade, disse: "Nós classificamos as personalidades observadas. Nós intitulamos de tímidas ou cauteloso e exploradoras ou corajosas”.

Indivíduos tímidos são aqueles que passam mais tempo se protegendo e explorando menos o ambiente aberto. Em vez disso, os indivíduos corajosos são aqueles que passam a maior parte do tempo explorando os arredores e se preocupam menos com se esconder.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails