2 de fev de 2015

Conheça a história do homem que se transformou em mulher por amor

Que faria você por amor? Essa pergunta não saía da cabeça de Martine Rothblatt, quando sua esposa lhe disse que era lésbica e ele decidiu mudar de sexo para poder continuar sua relação amorosa com ela. Quando nasceu, seus pais o chamaram Martin, mas por amor, este homem se transformou em mulher e hoje, Martine Rothblatt, é uma das CEO melhor pagas dos EUA e é uma referência no campo da bioética.

Quando era muito jovem, Martin conheceu Bina Aspen numa discoteca. Desde o primeiro momento, o jovem sentiu-se muito atraído pela garota afro-americana e decidiu conquistá-la.

A relação prosperou até que finalmente se casaram e se converteram em pais de 4 filhos. No entanto, em um belo dia, a vida de Martin deu um giro de 360 graus quando sua esposa lhe confessou que era lésbica e que portanto, queria se divorciar dele.


Foi um duro golpe para Martin, que decidiu que não estava disposto a perder o amor de sua vida. Nesse momento também reflexionou sobre sua vida e recordou como quando era adolescente desejava com todas suas forças ser mulher.

Em algumas ocasiões propôs-se a possibilidade de ser uma mulher, mas eliminou o pensamento conforme crescia, no entanto, uma vez que Bina decidiu dar por terminada a relação, Martin tomou as rédeas de sua vida e decidiu mudar de sexo.

O que pensariam seus amigos? Como reagiriam seus filhos? Que pensaria sua ex esposa? Pese ao medo que sentia, Martin decidiu mudar de sexo em 1994 e recuperar o amor de Bina.




A maioria dos vizinhos e amigos deixaram de falar com Martin e seus filhos foram alvo de bullying, mas a agora mulher não cedeu em seus esforços de começar uma nova etapa em sua vida.

Após uma longa conquista, Martine e Bina voltaram a ficar juntos como um casal homossexual e até a data seguem juntas.

Pois se não fosse o bastante, Martine é hoje uma das CEO melhor pagas dos Estados Unidos, além de ter uma trajetória impecável no campo da bioética.

Ela fundou a United Therapeutics, empresa biotecnológica que se centra no campo da pesquisa, desenvolvimento e venda de medicamentos para pessoas com doenças crônicas, cardiovasculares e câncer. Atualmente sua empresa estuda a possibilidade de transplantar órgãos de porcos para humanos.

Martine também é criadora do manifesto "O apartheid do sexo" que sugere que os genitais são irrelevantes para a sociedade. Assegura que dividir as pessoas em homens e mulheres é tão errado quanto dividir em brancos e negros, por isso ela não se define a si mesma como transgênero senão como transhumanista.

Martine começou a interessar-se, ademais, pela inteligência artificial pois assegura que esta é a chave para prolongar a vida humana.

A bem sucedida mulher também criou sua própria religião chamada "Terasem" que assegura, entre outras coisas, que "a vida tem um propósito, a morte é opcional, Deus é tecnológico e o amor é essencial".

Fonte







. . .

2 comentários:

Anônimo disse...

BIZARRICE TOTAL !!!


TOTALMENTE MACHO

Davis disse...

Título mais pé-no-chão pra matéria:

"Homem confuso pensa que é mulher, e tenta se agarrar com mulher que pensa que é homem"

Sempre foi bizarro, desde adolescente, e foi tentando remendar a besteira conforme cresceu.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails