2 de abr de 2015

Medicamento para aumentar os cílios, utilizado por estrelas de Hollywood, está transformando olhos verdes em castanhos

A jornalista responsável por escrever sobre beleza no portal britânico Daily Mail, relatou um caso intrigante envolvendo o produto ‘Latisse’, utilizado para o crescimento de cílios, endossado por celebridades como Claire Danes e Brooke Shields.

Em uma manhã, logo ao acordar, Leah Hardy se olhou no espelho e notou que seus olhos verdes haviam escurecido. Havia um formato anelar amarronzado em sua íris, causando preocupação para a jornalista. Ela associou o caso com o uso do Latisse, realizado em julho de 2012, após ser convidada por uma clínica no Reino Unido para experimentá-lo.

A droga chegou ao mercado, na primeira vez, como Lumigan, um tratamento para o glaucoma - doença na qual o fluido acumula-se no interior do globo ocular, exercendo pressão perigosa. Mas os pacientes que usaram Lumigan descobriram um efeito colateral no produto, que fazia seus cílios crescerem rapidamente. Dessa forma, os fabricantes reproduziram o mesmo medicamento em uma garrafa diferente, como um produto voltado para o mercado de cosméticos, nascendo assim o Latisse.


Ele foi lançado nos Estados Unidos em 2009, sendo as atrizes Claire Danes e Brooke Shields, suas celebridades anunciantes. Feito pela indústria Allergan, que produz o Botox, o produto possuía credibilidade, fazendo com que a repórter utilizasse-o sem questionar, tornando-se uma das primeiras mulheres no Reino Unido a colocar as mãos nele.

Inicialmente, ela ficou encantada ao ver seus cílios crescerem, até o fatídico dia relatado no início do texto. Depois de notar a mudança na cor de seus olhos e pesquisar sobre o produto, ela descobriu que o ingrediente ativo do produto, chamado de ‘bimatoprosta’ - também comercializado no Brasil -, é um análogo de prostaglandina, conhecida por causar alterações da cor dos olhos. A Allergan admite que "pode ​​causar aumento da coloração marrom da íris de forma permanente".

Hardy descobriu que as prostaglandinas usadas para tratar o glaucoma foram associadas à mudança de cores da íris em até 50% dos pacientes. De acordo com Raman Malhotra, um oftalmologista cirurgião no Queen Victoria Hospital, na Inglaterra, o ativo químico provavelmente foi o causador do problema. "Normalmente, a cor dos olhos em adultos só muda caso eles sofram de doenças oculares inflamatórias crônicas ou uma lesão no olho. No entanto, a bimatoprosta pode aumentar a quantidade de pigmento castanho no olho por estimular a produção do mesmo”, explicou.


Na semana passada, noticiou-se que uma nova pomada contendo outra prostaglandina (não era a bimatoprosta) estava em desenvolvimento para tratar olheiras e poderia causar o mesmo efeito. Os médicos dizem que Latisse, que já vendeu surpreendentes 5,5 milhões de frascos em todo o mundo, também pode causar este resultado.

E tudo indica que a mudança na cor dos olhos não é o único efeito colateral que o produto pode desencadear. Dr Stanley Berke, um oftalmologista dos Estados Unidos, explica: "As prostaglandinas são absorvidas através da pele em células de gordura, fazendo-as encolher". Berke, que tinha visto as mudanças em seus pacientes com glaucoma, nomeou esta combinação de efeitos de “Prostaglandina Periorbital Associada” (PAP).

De todas as prostaglandinas, os estudos descobriram que a bimatoprosta é a mais provável de causar esta atrofia de gordura, sendo a PAP ocorrente em até 93,3% por cento dos que usam a droga para glaucoma. Em casos raros, a bimatoprosta também tem sido associada a alterações musculares, levando a deslocamentos de retina.

Diferenças sutis na forma do olho são visíveis se você examinar atentamente o 'antes e depois' das fotos de Claire Danes, bem como outras imagens no próprio site do Latisse. E por incrível que pareça, após ter sido cobaia, a jornalista descobriu que o Latisse sequer foi licenciado para uso no Reino Unido. Ao entrar em contato com a clínica, eles disseram que ela, na verdade, foi exposta ao Lumigan, que estaria licenciado.

Uma rápida pesquisa online realizada por Hardy, levanta uma série de outras clínicas do Reino Unido que oferecem 'Latisse', mas ao ler as letras pequenas, algumas realmente prescrevem Lumigan. Apesar de parecer legal, perante a lei, órgãos do Governo do país estão investigando essas empresas a respeito de publicidade médica enganosa.

Sobre a Allergan aconselhar o uso de Lumigan para o crescimento dos cílios. Malhotra diz: “Seja usando Lumigan ou Latisse para o crescimento dos cílios, os pacientes devem ser advertidos por seus médicos sobre essas mudanças potencialmente desfigurantes e irreversíveis”.

Um porta-voz da Allergan disse: "O risco de mudança da cor dos olhos é extremamente pequeno e está descrito na rotulagem do Latisse e do Lumigan. Os pacientes devem se responsabilizar por isso”.

A empresa acrescentou: "Problemas periorbitais e mudanças na retina associadas com um aprofundamento do sulco da pálpebra foram identificados durante o uso do Latisse e [o efeito colateral] foi adicionado na rotulagem do produto norte-americano. Com o uso descontinuado do produto, o aprofundamento do sulco da pálpebra pode ser revertido”.

Sendo verdade ou não, vale a pena arriscar tudo isso por alguns milímetros a mais em seus cílios?

Fonte





. . .

Um comentário:

Anônimo disse...

Cada coisa... Tem gente que arrisca ter um problema na visão só por futilidade.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails