26 de nov de 2015

Homem vê o mundo em cores pela primeira vez e se emociona

Nós não nos damos conta de como o mundo pode ser diferente com uma simples deficiência de não enxergar a cor marrom, por exemplo. Vemos todos os espectros de cores e isso é tão trivialmente normal, que não podemos imaginar o que seria atravessar o dia em tons de cinza. 

Acordar e olhar para o azul do céu contra as folhas verdes brilhantes do início do verão evoca um sentimento reconfortante, que pode literalmente mudar toda uma perspectiva sobre a vida. A cor laranja e o vermelho de fogo que cobrem as montanhas no lusco-fusco é uma visão que eu não desistiria por nada nesse mundo.

O daltonismo é uma condição extremamente comum que afeta 1 entre cada 12 homens, e 1 em 200 mulheres, e a explicação da disparidade reside na hereditariedade. O daltonismo está vinculado ao cromossomo masculino e, portanto, pode ser passado de pai para filho. 

Embora existam alguns trabalhos que uma pessoa daltônica não pode fazer, como se tornar um piloto de avião, a condição não é considerada grave, e essas pessoas vivem vidas plenas. Há apenas aqueles certos momentos que se perdem diariamente, como o pôr do sol ou a cor rosada na bochecha da filha.


Até recentemente, não havia nenhuma maneira de remediar este defeito genético. Don McPherson, que tem um doutorado em ciência do vidro, acidentalmente se deparou com esta tecnologia incrível quando fazia pesquisas para lentes de cirurgia ocular a laser. Depois de explorar ainda mais a forma como os cones os olhos respondem à cor, EnChroma agora torna todo o arco-íris disponível para aqueles que viram apenas tons de cores distorcidas durante suas vidas inteiras e a internet não se cansa de ver os vídeos desses cegos às cores se emocionando com a primeira experiência colorida real. 

Joseph Romeo é uma dessas pessoas que teve a experiência de ver o mundo a cores pela primeira, e sua reação é bem comovente.




Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails