11 de dez de 2016

A notável história dos moradores de Saint Kilda

O remoto arquipélago de Saint Kilda, ao largo da costa oeste do continente escocês, é verdadeiramente um lugar isolado. Localizado a cerca de 64 km a oeste das Hébridas Exteriores, é a parte mais remota das Ilhas Britânicas. A ilha está cheia de rochedos de granito irregulares e altas falésias que carregam toda a força da condição atmosférica selvagem do Atlântico Norte. O vento é tão forte ali que as árvores se recusam a crescer.

Neste clima hostil, uma pequena comunidade se agarrou à sua existência mais básica, sobrevivendo em grande parte comendo aves marinhas e seus ovos. Este grupo extraordinário de homens, mulheres e crianças viveu em um estilo de vida de caçador-coletor, escalando paredões de penhascos para caçar atobás, pardelões-prateados e papagaios-do-mar, e cultivando escassos produtos agrícolas, até as primeiras décadas do século XX.

Depois de milhares de anos de isolamento, toda a população da ilha foi evacuada para o continente para escapar da falência das colheitas, a falta de comunicação e a necessidade de cuidados médicos. A história desses ilhéus e sua gradual perda de auto-suficiência foi objeto de um fascínio duradouro para a Escócia e para o resto do mundo.






Saint Kilda foi habitada continuamente por cerca de 4.000 anos. Seu único assentamento, A Vila da Baía, estava localizado em uma terra de baixa altitude na maior ilha do arquipélago, Hirta. A ilha varrida pelo vento não era adequada para a agricultura.

Os ilhéus cultivavam pequenas quantidades de cevada, aveia e batatas, mas os ventos fortes e a água salobra muitas vezes danificavam as colheitas. O mar era muito grosso para a pesca, assim que os ilhéus comiam poucos peixes. Sua comida favorita era pássaros, e havia muitos deles na ilha.

Saint Kilda ainda é o terreno fértil para muitas espécies importantes de aves marinhas como atobás, pardelas e pardelões e papagaios-do-mar. Possui as maiores colônias de atobás do norte, totalizando 24% da população mundial e quase 90% da população européia de pardelas de Leach. De acordo com um relatório, cada pessoa em Saint Kilda comia 115 atobás todos os anos. Um registro de 1876 indica que os ilhéus consumiram mais de 89.600 papagaios-do-mar.

A captura dos pássaros não era fácil, mas os ilhéus tinham dominado a arte. Durante os meses de primavera e verão, os homens descalços desciam os penhascos íngremes pendurados em cordas, e recolhiam aves jovens e ovos dos ninhos.

Nada era desperdiçado. As penas eram usadas para almofadas e roupas de cama, a pele dos pardelões era usada para fazer sapatos, e o óleo do estômago dos papagaios era usado como combustível dos lampiões. Os pássaros estavam disponíveis apenas metade do ano. Durante o outono e inverno eles saíam para o Oceano Atlântico. Para evitar morrer de fome, os ilhéus construíram montes de pedra, conhecidos como cleits, onde armazenavam as carcaças dos pássaros.

A partir do meio do século XIX, os ilhéus começaram a receber turistas e eles próprios aventuraram-se ao exterior. O crescente contato com o mundo exterior fez com que os jovens tivessem contato com um modo de vida diferente, e suas próprias inadequações na ilha.

Os moradores começaram a importar alimentos, combustível e materiais de construção em uma tentativa de melhorar a vida na ilha, e gradualmente se tornaram dependentes desses suprimentos.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a presença da Marinha Real na ilha melhorou a comunicação com o continente. Mas, pela primeira vez na história, havia entregas regulares de correspondência e comida.




Quando esses serviços foram retirados no final da guerra, o sentimento de isolamento aumentou. A escassez de alimentos tornou-se mais aguda e mais frequente. A necessidade de cuidados médicos foi gravemente sentida.

A última gota veio com a morte de uma jovem que ficou doente com apendicite em janeiro de 1930, e foi levada para o continente para tratamento. Depois desse incidente, uma decisão coletiva foi tomada para deixar a ilha para sempre. Uma petição (terceira imagem) assinada por vinte insulares foi escrita ao governo pedindo a evacuação.





Afirmaram que a população da ilha estava diminuindo e vários outros homens decidiram partir. Sem eles para cuidar das ovelhas, operar os teares manuais e cuidar das viúvas, seria impossível ficar na ilha um outro inverno", escreveram. A petição prosseguia:

- "Não pedimos que sejamos estabelecidos juntos como uma comunidade separada, mas seríamos coletivamente gratos pela ajuda e transferência para outros lugares, onde haja uma melhor oportunidade de garantir nosso sustento."

Em 29 de agosto de 1930, os restantes trinta e seis habitantes de Saint Kilda foram evacuados e reassentados no continente. Em 1986, as ilhas tornaram-se o primeiro lugar na Escócia a se tornar Patrimônio Mundial da UNESCO. É um dos 24 lugares do planeta a receber esta distinção por sua significância natural e cultural. Milhares de turistas visitam a ilha de Hirta hoje para explorar a cidade abandonada.






Fonte




. . .

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails