17 de mai de 2013

O mistério dos negros loiros das Ilhas Salomão


Sensacional essa descoberta, muitos "brancos loiras" vão se incomodar bastante com essa descoberta. Leia e entenda.

A cor da pele humana e do cabelo variam consideravelmente dentro, e entre as populações do mundo. Um dos casos mais incríveis acontece entre os melanésios das Ilhas Salomão, que revelam uma variante genética funcional que levou os ilhéus a ter, ao mesmo tempo -veja que incrível-, a pigmentação de pele mais escura fora da África e a maior prevalência de cabelo loiro fora da Europa.

Estudos anteriores demonstram que a pigmentação é, em grande parte, hereditária, mas também indicam que evoluiu para se adaptar aos raios ultravioleta do sol. Sendo assim, as populações próximas ao equador possuem a pele e o cabelo mais escuros. No entanto, esta população das Ilhas Salomão, ao leste de Papua Nova Guiné, se diferencia desta tendência.


Na falta de uma explicação científica plausível, o senso comum insular credita que a cor seria resultado da exposição excessiva ao sol, ou então de uma dieta rica em peixe. Outra explicação se baseia na herança genética de ancestrais distantes, como mercadores europeus que teriam visitado o arquipélago no passado.

Agora essas hipóteses, entretanto, foram derrubadas por pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, dirigidos por Nic Timpson, do Centro de Análise Causal em Epidemiologia Translacional, da Universidade de Bristol, no Reino Unido. Segundo um estudo, publicado na revista Science, a variante genética responsável pelo cabelo loiro dos ilhéus é diferente daquela que causa a mesma característica nos europeus.

  - "O cabelo loiro natural é um traço surpreendentemente raro nos seres humanos, que está associado tipicamente com habitantes dos países escandinavos e do norte da Europa. Nossas conclusões não só ajudam a explicar as diferenças fascinantes nestas características físicas, senão que também sublinham a importância da cartografia genética nas populações isoladas, para ajudar a lançar nova luz sobre a epidemiologia de doenças", afirma Nic Timpson.

Para chegar a esta conclusão, a equipe recolheu amostras de um grupo de melanésios, 43 com o cabelo loiro, e 42 com o cabelo escuro, e realizou uma análise genética para comparar seus genomas. Os resultados identificaram uma região do gene responsável pela variação da cor do cabelo, chamado TYRP1, que é conhecido por influenciar a pigmentação nos humanos. Só que a variante encontrada nos cabelos loiros dos habitantes das Ilhas Salomão não é encontrada no genoma dos europeus.

- "Este caso acaba com qualquer noção simplória que temos sobre raças", revela o geneticista Carlos Bustamante, um dos responsáveis pelo estudo. - "Nós, humanos, somos lindamente diferentes, e esta é apenas a ponta do iceberg".










. . .

Um comentário:

Pepino+Tomate sem Capri... disse...

Os homens que se dizem "Brancos", estão fazendo tanta merda, que o dono,"DEUS", está dando um moral nos nossos irmãos "ESQUECIDOS"; Falei e disse!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails