11 de abr de 2015

Gato é resgatado depois de viver cinco anos preso atrás de uma parede

  • Depois de cerca de cinco anos ‘aprisionado’ atrás de uma parede em uma estação de metrô do Cairo, no Egito, um gato foi salvo de seu “túmulo” e trazido à luz do dia.

Isso graças a um homem idoso que o alimentou todos os dias durante todos esses anos e um grupo de ativistas que fez pressão para libertá-lo.

Tudo começou em 2010, quando o gato encontrou um esconderijo entre a superfície externa da parede mas foi enclausurado por acidente durante a instalação de um sistema de extintores de incêndio na estação de metrô Mohamed Naguib, no centro de Cairo. Os locais contam que o gato entrou na fenda após correr ferozmente do ataque de um cachorro e, por medo, não saiu mais. O gato foi espremido em um buraco na parede e não saiu novamente. O cuidador do gato durante esses anos, conhecido como Tio Abdo, proprietário de uma loja de óculos do lado de fora da estação, até apelidou o gato de Biso.

"Quando nós removemos a parede, um cheiro muito ruim surgiu a partir do buraco, que era de 15 centímetros de largura e quatro metros de comprimento. Era como uma tumba. Havia vermes ao longo dos quatro metro, onde o tio Abdo foi capaz de colocar alimentos para Biso”, disse Mounira Shehata, um ativista dos direitos dos animais que participou do resgate.

Em 12 de março, alguém postou uma foto da cauda de Biso pendurada atrás da parede na página do Facebook chamada "Help and rescue homeless animals (Ajuda e salvamento para animais de rua)", reclamando que ele próprio não poderia quebrar a parede para libertar o gato, pois seria considerado sabotagem de bens públicos.



Outra pessoa compartilhou a imagem na página "Save an Innocent Animal’s Soul (Salve uma Alma Animal Inocente)” no Facebook; e foi assim que Shehata descobriu o caso de Biso e foi até o local com Marwa Elgebaly, também ativista dos direitos dos animais, para salvar o gato. Rania el-Kordy, que partilha os mesmos interesses, seguiu-os no dia do resgate.

Shehata e Elgebaly falaram com funcionários na estação de metrô na noite de 12 de março, mas foi-lhes dito que eles precisavam retornar dois dias depois, quando o oficial de manutenção estaria presente.

No entanto, Dina Zulfikar, um trabalhador certificado e renomado dos direitos dos animais que sabia sobre Biso através das mídias sociais, apresentou um relatório na delegacia Abdeen, em 13 de março, juntamente com a defensora dos direitos dos animais, Dalia Shaheen. 

A polícia e a equipe de proteção civil chegaram ao metrô e informaram ao chefe da estação que havia uma ordem de julgamento para resgatar Biso. Os trabalhadores foram convocados em suas casas em seu dia de folga.

Biso, no entanto, fugiu rapidamente após o resgate, antes que alguém pudesse pegá-lo. A operação levou mais de cinco horas, de acordo com Shehata. Ela e o tio Abdo ainda estão procurando Biso dentro da estação de metrô.

“Eu fiz tudo isso para Deus", disse o idoso Abdo Masr al-Arabi, que salvou a vida do gato durante esses cinco anos de prisão forçada, acrescentando que Deus deve livrá-lo de muitos problemas por conta de tal caridade.

Fonte





. . .

Um comentário:

Infinity disse...

eu já teria quebrado a parede, depois pagava pelo prejuízo pedindo doações

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails