29 de mai de 2015

Segundo os cientistas, beber vinho antes de ir para a cama ajuda a perder peso

De todas as bebidas alcoólicas, o vinho é uma das mais antigas e com mais história. Não só é consumido em horas de lazer e atividades sociais, senão que é um elemento importante em alguns rituais religiosos. 

Conquanto existem vinhos para todos os gostos e cada pessoa gosta de um tipo diferente, a bebida em si é praticamente universal e tem reconhecidas características que fazem bem a saúde, quando consumido de forma moderada. Características as quais se junta agora a perda de peso.

Aparentemente o vinho pode reduzir os desejos por alimentos doces ou altos em gorduras que algumas pessoas sofrem durante a noite. Segundo Linda Monk, sua insuportável ansiedade por consumir doces após o jantar desapareceu quando começou a tomar uma taça de vinho após a refeição e antes de ir à cama.

Cientistas da Universidade de Harvard estudaram uma amostra de 20 mil mulheres durante um longo período de mais de 13 anos e concluíram que aquelas que bebiam uma média de duas taças de vinho ao dia reduziam significativamente suas probabilidades de ficarem obesas, bem como padecer de algumas das doenças relacionadas.


Outro estudo, neste caso da Universidade Estatal do Oregon, também chegou à conclusão de que tomar vinho pode contribuir à queima de gorduras no corpo. 

Os cientistas anunciaram que o consumo de uvas escuras, como as que são utilizadas para produzir o vinho tinto, podem ajudar às pessoas com obesidade a queimar gordura mais rápido se ademais se manterem uma dieta relativamente balanceada.

Cada tipo de vinho fornece a nosso corpo diferentes quantidades de energia medida em calorias. Enquanto um copo de vinho branco tem 120 calorias, uma de vinho tinto tem 135, aproximadamente. Isto converte o vinho não só no mais saboroso dos aperitivos, senão também no mais saudável. 

É evidente que se você substituir a fatia de torta que comes de sobremesa (umas 300 calorias) por uma copo de vinho estará poupando muitas calorias. Claro que a degustação deves ser moderada, um copo ou dois faz bem, mas tomar uma garrafa a cada noite não é exatamente uma boa ideia.

Felizmente a ciência não é apenas quantums e células tronco. De vez em quando os cientistas separam-se dos estudos mais sisudos e nos deleitam com estas excelentes notícias, sobretudo para os amantes do vinho.

Algumas curiosidades sobre o vinho:

1 - Os franceses sempre foram conhecidos por serem glutões de alimentos gordurosos, o que surpreende porque as evidências mostram que não são habituais as doenças cardíacas entre eles. Segundo os cientistas, o causador desta longevidade é o resveratrol, um componente antioxidante do vinho.

2 - Ainda que geralmente tomamos vinho feito com uvas, em certas partes do mundo existem alguns com componentes extras. Por exemplo, em 2012 comercializou-se um vinho envelhecido com um meteorito, o que supostamente lhe dava outro tipo de gosto.

3 - Na China fazem um vinho que é envelhecido com três pênis: um de cão, um de foca e outro de veado. Mas este ai não é nada se comparado a um outro feito na Coréia feito de fezes humanas.

4 - Um dos vinhos mais polêmicos é o criado a partir de ossos de tigre, esta espécie em perigo de extinção. Custa muito caro e é extremamente popular na China, ainda que é proibido há anos.

5 - Ainda que França seja conhecida por seus vinhos e pelo grande consumo, o lugar onde mais se consome vinho per capta é o Vaticano, com 74 litros ao ano. A China não fica atrás, mas mesmo assim não supera a França e Itália.

5 - Durante a Idade Média, os monges cuidavam das técnicas para a criação do vinho e inventaram novas, sendo os principais produtores. Inclusive foi um monge quem deu nome a uma conhecida marca de champanhe: Dom Perignon.

7 - Os vinhos mais escuros originam de regiões cálidas, mas os mais claros são de climas frios e têm um gosto mais suave.

8 - A evidências mais antigas da existência do vinho podem ser rastreadas no Irão, entre o 8.500 e o 4.000 a.C. Os historiadores acreditam que as primeiras bebidas deste estilo surgiram por erro, quando os fungos do fermento tomaram contato com uvas armazenadas, transformando o açúcar em álcool. O método foi aperfeiçoado pelos egípcios e espalhado no Mediterrâneo pelos gregos.

9 - As mulheres se embebedam mais rápido, sobretudo com o vinho. Tudo se deve a uma enzima existente no estômago dos homens que lhes ajuda a processar o álcool e outros elementos de maneira segura, com uma melhor tolerância. As mulheres têm menos quantidade desta enzima.

10 - Em alguns estudos demonstraram que amantes de vinho tendem a comprar aqueles que têm nomes difíceis ou que são mais caros, no entendimento de que costumam ser os de melhor qualidade. Mas nem sempre é assim, há ótimos vinhos baratos, de boa procedência, com nomes simples e apenas indicação do sabor.

11 - Viciado na bebida, o Papa Leão XIII estampou o cartaz publicitário de um vinho revigorante feito com coca, que foi inventado por Angelo Mariani, um químico da Córsega. Mais tarde o vinho de coca terminou se convertendo em uma bebida não alcoólica, mas que mantinha a cocaína, seu nome era Coca-Cola.


Fonte




. . .

Um comentário:

Anônimo disse...

A indústria das bebidas alcoólicas.O problema é que dificilmente alguém fica em uma taça.Sei de pessoal que começou assim e terminou com uma garrafão de 5 litros por semana.Em parte da serra gaúcha, com a sua colonização italiana, é comum a ingestão de vinho desde pouca idade, mas também é comum o alcoolismo precoce cirrose hepática.A indústria faz um ritual para que as pessoas bebam com "refinamento" (tirar a rolha , cheirá-la , deixar respirar , blá, blá... ridículo),cooptam ao meio médico para fazer propaganda, etc., pois querem vender, vender.Conversei com médicos que dizem que os efeitos medicinais favoráveis podem ser alcançados com o suco de uva. A indústria do vinho nega dizendo que os bisfenóis ( ou o que seja) só existem no vinho alcoólico. Não é verdade, apenas tem um pouco menos no suco.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails