31 de dez de 2015

Japonês eremita toma conta de cidade abandonada na selva amazônica

  • Shigeru Nakayama, que imigrou para o Brasil há 50 anos, cuida de ruínas de Airão Velho, a 180 km de Manaus, que viveu seu auge no Ciclo da Borracha

Nakayama chegou a Airão Velho em 2001. (Foto: Lucas Amorelli/BBC)
A cidade de Airão Velho, no Estado do Amazonas,teve seu auge há mais de 100 anos e sua decadência econômica traduziu-se na partida dos moradores. Hoje, um único homem vive ali e tornou-se seu guardião.

Shigeru Nakayama tem 62 anos e chegou ao Brasil há mais de 50 anos. Nasceu em Fukuoka, no sul do Japão, e mudou-se durante o grande fluxo migratório de japoneses no começo dos anos 1960.

O Japão, à época, passava por dificuldades econômicas e o Brasil precisava de mão de obra na agricultura. Sua família, então, assentou-se no Pará.

No início dos anos 70, ele e um grupo de amigos partiram para a Amazônia em busca de trabalho, e estabeleceram-se às margens do Rio Negro.

Chegou a Airão Velho em 2001, quando a cidade já estava abandonada havia quase 70 anos. O vilarejo teve seu auge econômico durante o período do Ciclo da Borracha, quando a região era movida pela exploração do látex.


Com o declínio da produção, aos poucos, quem morava ali se mudou para outras regiões.

Cidade viveu auge durante Ciclo da Borracha. (Foto: Lucas Amorelli/BBC)
Airão Velho, a 180 km de Manaus, também foi berço da colonização portuguesa, como pode ser visto no único cemitério do local, onde estão enterradas gerações inteiras.

A família lusitana Bizerra "mandava" na cidade e um de seus últimos membros viveu ali até meados do século 20. Foi um deles que pediu, pessoalmente, a Nakayama que cuidasse dali. E ele aceitou.

"Meu sonho desde criança era viver na floresta amazônica", diz ele, em seu carregado sotaque japonês.

'Se eu sair, a história morre'

Nakayama diz ter tido ajuda de dois amigos para avançar sobre o mato que havia tomado Airão Velho.

"Tudo estava completamente abandonado havia mais de 40 anos", diz.

Hoje, recebe e guia turistas, a maioria estrangeiros, mas recusa-se a cobrar entrada. Emtroca, recebe comida e doações dos visitantes.

Em sua pequena casa de madeira, de apenas três cômodos e chão de terra, montou um pequeno museu onde reuniu objetos históricos recolhidos nas imediações.

Dorme em uma modesta cama de solteiro, gasta pelo tempo. Planta o que come - longe dali, diz, já que a área é de preservação ambiental. E, todos os dias, cuida de "sua" cidade, andando sempre com um facão - ou terçado, como dizem amazonenses - como forma de proteção.

Gerações inteiras de famílias portuguesas estão enterradas na cidade. (Foto: Lucas Amorelli/BBC)

Nakayama recebe guias e turistas, a maioria estrangeiros. (Foto: Lucas Amorelli/BBC)

Objetos recolhidos na região são exibidos na casa de Nakayama. (Foto: Lucas Amorelli/BBC)

A tecnologia quase não existe por ali, a não ser pelo pequeno televisor movido por um gerador de energia e um antigo rádio de pilhas.

"Airão é um patrimônio histórico. Plantação, roçar, derrubar floresta, é completamente proibido. Do jeito que está, tem que deixar assim. É área de patrimônio".

E diz temer que um dia o local seja esquecido e novamente abandonado: "Se eu sair, a história daqui morre. Todo mundo sabe disso".

Cidade estava abandonada havia 40 anos, segundo Nakayama. (Foto: Lucas Amorelli/BBC)








. . .

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails