31 de mar de 2014

O fenômeno déjà vu nos permite obter informações de outras dimensões?


  • Quem já teve tem uma sensação incrível de uma outra realidade

O fenômeno conhecido como déjà vu é, certamente, um dos mistérios mais freqüentes e inexplicáveis de nossa mente. Embora existam várias teorias especulando sobre os mecanismos que levam a este tipo de situação, o fato é que até agora não há conclusões científicas. 

No entanto, com a introdução das mais recentes concepções do chamado cérebro quântico, muitas pessoas começaram a se perguntar se o déjà vu pode ser um vislumbre de nossa mente no presente, mas em outras dimensões do espaço-tempo .

Estatísticas apontam que o fenômeno acontece quase que diariamente, e é muitas vezes descrito como um sentimento que pessoas experimentam sobre uma situação no presente, mas que já seria experimentada no passado. O déjà vu, termo em francês para “já visto”, não está exatamente relacionado com um tempo específico no passado, mas sim com uma idéia geral que, em um dado momento, se faz presente. Isso gera aquela sensação de “isso já aconteceu comigo antes”.

A psicologia estima que 97% das pessoas já experimentaram o fenômeno de déjà vu, pelo menos uma vez na vida. Estudos indicam que se trata de um efeito mental causado por um determinado processo que ocorre em partes do cérebro associadas à memória e percepção. Por vezes, a informação que chega ao cérebro percebe as áreas de memória, antes da chegada da mesma informação para a área de análise primária. Então o cérebro compara a situação com informações armazenadas na memória e conclui: esse evento já aconteceu antes.


Outros pesquisadores, no entanto, relacionam o fenômeno do déjà vu com o fluxo de eletricidade biológica que alimenta nossos cérebros. Existe uma corrente de ondas de alta freqüência que, tanto o nosso cérebro quanto o conjunto do nosso corpo, percebe como um todo oriundo do ambiente em que operamos. Esse tipo de energia sutil de alta freqüência é usada pelo sistema nervoso para fornecer todas as funções fisiológicas e psicológicas.

Há algum tempo, está cientificamente provado que nenhum ser vivo pode sobreviver sem este tipo de energia sutil. Enquanto a psicologia chama essa energia de mental ou espiritual, a física se refere a ela como vácuo quântico ou energia de ponto zero.

A ciência tem determinado que existe uma partícula elementar associada a esse tipo de energia que chamou de psychon, análogo ao elétron da energia densa. Vários estudos têm demonstrado que o exercício do pensamento é basicamente o processo que gera a eletricidade sutil.

Ao associar esses resultados com experiências no campo da física quântica, os cientistas foram capazes de provar a possibilidade de formas simultâneas de pensamento em diferentes continuidades espaço-temporais. Seria um fenômeno análogo à luz de uma estrela distante que vem do passado e do futuro ao mesmo tempo. Da mesma forma, uma parte do pensamento poderia existir em diferentes pontos do espaço-tempo.

Talvez a percepção de já ter vivido um fato que acontece no presente esteja diretamente ligada ao salto quântico da mesma energia sutil.






. . .

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails