28 de out de 2015

Buraco negro é detectado retalhando estrela a 290 milhões de anos-luz de distância da Terra

  • Astrônomos detectam buraco negro pulverizando uma estrela a 290 milhões de anos-luz.

O fenômeno ocorre quando uma estrela se aproxima demais de um buraco negro, e sua intensa gravidade faz com que as forças de maré rasguem a estrela distante.

Nestes eventos, chamados de perturbações de maré, alguns dos detritos são arremessados ​​para fora da estrela a velocidades elevadas, enquanto o restante desce para o buraco negro. Isto provoca um alargamento do raio-X distinto, que pode durar anos. Os cientistas dizem que o evento é o rompimento de maré mais próximo descoberto em cerca de uma década.

"Estes resultados suportam algumas das nossas recentes ideias sobre a estrutura e a evolução de eventos de interrupção de maré", disse o coautor da pesquisa, Coleman Miller, professor de astronomia na Universidade de Maryland, nos EUA, e diretor do Instituto Joint Space-Science.

"No futuro, as interrupções de maré podem ajudar os laboratórios a estudar os efeitos de extrema gravidade”, completou.


A luz ótica do All-Sky Automated Survey for Supernovae (ASAS-SN) foi a responsável por descobrir o rompimento das marés, conhecido como ASASSN-14li, em novembro de 2014.

O evento ocorreu perto de um buraco negro supermassivo no centro da galáxia PGC 043.234. Outro estudo, usando a observação da vários observatórios da NASA e satélites da Agência Espacial Europeia, forneceu uma imagem mais clara através da análise de emissões de raios-X da destruição pelas forças gravitacionais.

Depois de uma estrela ser destruída por uma interrupção das marés, fortes forças gravitacionais do buraco negro atingem a maioria dos restos da estrela. O atrito aquece estes detritos, gerando enormes quantidades de radiação de raios-X. Seguindo essa onda de raios-X, a quantidade de luz diminui à medida que o material estelar cai além do horizonte de eventos do buraco negro, o ponto do qual nenhuma luz ou outras informações podem escapar. O gás resultante, muitas vezes, cai em direção ao buraco negro por espiral, formando um disco. Mas o processo que cria estas estruturas de disco, conhecidos como "discos de acreção", continua sendo um mistério.


Ao observar ASASSN-14li, a equipe foi capaz de testemunhar a formação de um disco de acreção observando a luz de raios-X em diferentes comprimentos de onda e acompanhando como essas emissões mudaram ao longo do tempo. Eles descobriram que a maioria dos raios-X são produzidos por um material extremamente estreito do buraco negro. Na verdade, o material pode ser mais brilhante e ocupar a menor órbita estável possível.

Mas os astrônomos também querem saber o que acontece com o gás que não se envolve no horizonte de eventos, mas é ejetado para longe do buraco negro. “O buraco negro rasga a estrela distante e começa a engolir o material muito rapidamente. O buraco negro não pode manter esse ritmo e expele algum material para o exterior”, disse o coautor Jelle Kaastra, astrônomo do Instituto de Pesquisas Espaciais, na Holanda.



Os dados de raios-X também sugerem a presença de um vento se afastando do buraco negro, transportando o gás estelar para fora. No entanto, este vento não chega a se mover rápido o suficiente para escapar da gravidade do alcance do buraco negro. Uma possível explicação para a baixa velocidade do vento é que este gás da estrela, interrompido, segue uma órbita elíptica em torno do buraco negro, e viaja mais lento quando atinge a maior distância do buraco, nos extremos da órbita elíptica.

Os astrônomos esperam encontrar e estudar mais eventos como ASASSN-14li para que eles possam continuar testando modelos teóricos sobre como os buracos negros afetam seus ambientes próximos. Com isso, eles também pretendem aprender mais sobre o efeito de buracos negros em estrelas ou outros corpos que se aproximam. Os resultados foram publicados na revista Nature.

Fonte





. . .

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails