10 de set de 2010

Álbum dos Mortos


  • Álbum dos Mortos - Uma recordação Macabra


Desde que o Francês Louis Daguerre em 1837 criou o processo fotográfico, começaram a aparecer as primeiras fotografias POST MORTEM. Hoje é difícil se pensar em tal coisa, pois geralmente temos fotos dos nossos entes queridos. Mas naquela época fotografia era algo muito caro e para poucos, então ter uma recordação da pessoa morta era algo quase que necessário.

Os álbuns dos mortos eram uma espécie de negação da morte. Uma forma de manter o parente vivo nas lembranças de todos.
Essa atividade tornou-se tão comum durante o século XIX que quase todos os membros da sociedade podiam pagar por uma foto. 
Tal fenômeno se difundiu tanto na Europa e na América do Norte que muitos fotógrafos passaram a se especializar nesse tipo de fotografia.
No princípio, os corpos eram retratados como se estivessem dormindo, o que dava aos mesmos uma imagem de naturalidade e "descanso eterno". Porém, também se tornou comum retratar os mortos simulando alguma atividade cotidiana que permitia que a imagem desse a impressão de que ainda estavam vivos. 

(EXTREMAMENTE BIZARRO)

Dada a circunstância de fotografar a pessoa ainda fresca, eram criados verdadeiros cenários elaborados com composições, muitas vezes, complexas de estúdio para fazer os álbuns dos mortos.  Em outros casos, depois de instalado o rigor mortis, era necessário inventar situações complicadas para a foto ficar natural. Isso envolvia colocar calços sob cadeiras e inclinar a mÁquina para que a cena se ajustasse a posição fixa do cadáver. Tornou-se comum também a presença de pessoas vivas nas fotos. Pais segurando seus bebês falecidos no colo como se estivessem apenas embalando seus pequenos enquanto estes dormiam tranqüilamente.

Fotografias de grupos, todos mortos, ou com parentes vivos em volta do falecido, cuja aparência não indicava de forma alguma sua real condição. As fotografias post mortem de figuras religiosas geralmente os mostravam sentados com um crucifixo nas mãos ou outro objeto similar.


Como as fotografias post mortem foram ficando cada vez mais populares e comuns, não havia muita variedade nas posições dos cadáveres. Nos anos 30 do século XX, as fotografias eram tiradas momentos antes do enterro, durante o velório ou antes do cadáver ser depositado no caixão.
Ao passar dos anos, já não havia a necessidade de fotografar os mortos em simulações de vida. Adornos, como flores por exemplo, eram incluídas nas fotos, dando plena consciência da real condição da pessoa.
Com a invenção de máquinas fotográficas mais modernas, a prática de fotografar pessoas vivas em situações cotidianas e normais se tornou mais popular e mais agradável aos nossos olhos.


Atualmente em nossa sociedade moderna, as fotografias post mortem são consideradas, por muitas pessoas, como bizarras e assustadoras. (EU ACHO MUITO BIZARRO)
A falta de vida, de reação, nos causa desconforto e assombro. Mas, ainda hoje, em alguns lugares, se fotografam os mortos. Talvez remexendo fotos antigas naquela caixa velha ou no báu guardado no porão, você possa encontrar alguma recordação de um parente "adormecido".


Eu já vi várias fotos dessa em álbuns de minha família, mas não achei nenhum na minha casa para demonstrar, porém encontrei vários na NET, é só conferir.


Rindo a toa ENCARE A MORTE COM NATURALIDADE, UM DIA ELA TE PEGA, AFINAL ELA ESTÁ VIVA... Rindo a toa








AS FOTOS FORAM TIRADAS DESSE SITE


OUTRAS MATÉRIAS

8 comentários:

Anônimo disse...

é verdade as fotos de crianças sao mais comuns pq nem todo mundo podia tirar, derrepente a criança morria e tiravam uma foto, a minha familia tinha uma foto de uma tia que morreu aos 4 anos nos anos 30 em um acidente domestico.
Mas isso ainda existe pois meu primo ingles no ano passado nos mandou uma foto do meu tio que morreu aos 80 anos, eu falei que nao precisava mandar nenhuma foto, pensando no meu pai que tem idade e nao gostaria de ver o irmao no caixao, conclusao ele mandou a foto do mesmo jeito e junto com o cartao de Natal foi um susto para todos, sorte que meu pai nao estava em casa e meu sobrinho escondeu a foto.

Soraia disse...

É assustador, mas compreensível. Particularmente não gostaria de ter de recordação uma foto de um defunto. Minha avó me falou que era assim mesmo, na família dela tinha esses álbuns. Pena que ela não tenha mais nenhum. Gostaria de olhar um de perto.

zeneide disse...

cara é verdade isso aqui antigamente no nordeste existia isso de tirar foto com o defunto lembro que quando minha vó morreu lá pelos anos de 84 a familia tirava fotos com o defunto como recordaçao realmente é bizarro

Anônimo disse...

Cara... a foto das 3 mulheres, sentadas, então, qual delas é a defunta???? kkkkkkkkkk
horripilante.

Anônimo disse...

Acho que a defeunta é a do meio...kkkkkkkk

Bertolucci disse...

A foto das 3 mulheres, a defunta é a do meio. Perceba que a mulher da esquerda a segura pelas costas e a mulher da direita a segura pelo ombro. Sinistro, ela parece que tá viva...

EDITOR DA MIB

Wizard disse...

A foto das 3 mulheres, não é a do meio q é a defunta. São as 3!!! E pelo tempo da foto, o fotografo tbm é um defunto.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.............

E daqui á alguns anos; meses; dias; horas ou minutos, todos que comentaram tbm serão defuntos!

C'est la vie!

william haddad disse...

espero que no além haja internet se não eu volto para puxar a pena de vcs

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails